50 Anos de lançamento do disco LUIZ GONZAGA CANTAS SEUS SUCESSOS COM ZÉ DANTAS

 
O DISCO "LUIZ GONZAGA CANTA SEUS SUCESSOS COM ZÉ DANTAS" LANÇADO EM 1959 ESTÁ COMPLETANDO DO ANO DE 2009 50 ANOS DE SUCESSOS!!!
 
MÚSICAS

01 – SABIÁ

(Luiz Gonzaga / Zé Dantas)

 
A todo mundo eu dou psiu
Perguntando por meu bem
Tendo um coração vazio
Vivo assim a dar psiu
Sabiá vem cá também
Tu que andas pelo mundo (sabiá)
Tu que tanto já voou (sabiá)
Tu que cantas passarinho (sabiá)
Alivia minha dor
Tem pena d’eu (sabiá)
Diz por favor (sabiá)
Tu que cantas passarinho (sabiá)
Alivia minha dor
Sabiá
 

02 – O XOTE DAS MENINAS

(Luiz Gonzaga / Zé Dantas)

Mandacaru, quando fulora na seca
É o sinal que a chuva chega no sertão
Toda menina quando enjoa da boneca
É sinal que o amor
Já chegou no coração
Meia comprida
Não quer mais sapato baixo
Vestido bem cintado
Não quer mais vestir timão

Ela só quer, só pensa em namorar
Ela só quer, só pensa em namorar

De manhã cedo já está pintada
Só vive suspirando
Sonhando acordada
O pai leva ao doutô
A filha adoentada
Não come não estuda,
Não dorme, nem quer nada

Ela só quer, só pensa em namorar
Ela só quer, só pensa em namorar

Mas o doutô nem examina
Chamando o pai de lado
Lhe diz logo na surdina
O mal é da idade
A doença da menina
Não há um só remédio
Em toda medicina

Ela só quer, só pensa em namorar
Ela só quer, só pensa em namorar

 

03 – VEM MORENA

(Luiz Gonzaga / Zé Dantas)

Vem, morena, pros meus braços
Vem, morena, vem dançar
Quero ver tu requebrando
Quero ver tu requebrar
Quero ver tu remechendo
Resfulego da sanfona
Inté que o sol raiar
Esse teu fungado quente
Bem no pé do meu pescoço
Arrepia o corpo da gente
Faz o véio ficar moço
E o coração de repente
Bota o sangue em arvoroço
Vem, morena, pros meus braços
Vem, morena, vem dançar
Quero ver tu requebrando
Quero ver tu requebrar
Quero ver tu remechendo
Resfulego da sanfona
Inté que o sol raiar
Esse teu suor sargado
É gostoso e tem sabor
Pois o teu corpo suado
Com esse cheiro de fulô
Tem um gosto temperado
Dos tempero do amor
Vem, morena, pros meus braços…
 
 

04 – A VOLTA DA ASA BRANCA

(Zedantas – Luiz Gonzaga)

Já faz três noites
Que pro norte relampeia
A asa branca
Ouvindo o ronco do trovão
Já bateu asas
E voltou pro meu sertão
Ai, ai eu vou me embora
Vou cuidar da prantação

A seca fez eu desertar da minha terra
Mas felizmente Deus agora se alembrou
De mandar chuva
Pr’esse sertão sofredor
Sertão das muié séria
Dos homes trabaiador

Rios correndo
As cachoeira tão zoando
Terra moiada
Mato verde, que riqueza
E a asa branca
Tarde canta, que beleza
Ai, ai, o povo alegre
Mais alegre a natureza

Sentindo a chuva
Eu me arrescordo de Rosinha
A linda flor
Do meu sertão pernambucano
E se a safra
Não atrapaiá meus pranos
Que que há, o seu vigário
Vou casar no fim do ano.

05 – A LETRA I

(Luiz Gonzaga e Zé Dantas)

 

Vai cartinha fechada

Não deixa ninguém te abrir

À quela casa caiada

Donde mora a letra I

 

E diz que de uma cacimba

Do rio que verão secou

Meus óio chorou tanta mágoa

Que hoje sem água

Nem responda a dor

 

Vai diz que o amor

Frumega no meu coração

Ta e quá fogueira

Das noites de São João

Que eu sofro

Por viver sem ela

Tando longe dela

Só sei reclamar

Pois vivo como um passarinho

Que longe do ninho

Só pensa em voltar.
 

 06 – FORRÓ DE MANÉ VITO

(Luiz Gonzaga e Zé Dantas)


Seu delegado, digo a vossa
senhoria
Eu sou fio de uma famia
Que não gosta de fuá
Mas tresantontem
No forró de Mané Vito
Tive que fazer bonito
A razão vou lhe explicar
Bitola no Ganzá
Preá no reco-reco
Na sanfona de Zé Marreco
Se danaram pra tocar
Praqui, prali, pra lá
Dançava com Rosinha
Quando o Zeca de Sianinha
Me proibiu de dançar
Seu delegado, sem encrenca
eu não brigo
Se ninguém bulir comigo
Num sou homem pra brigar
Mas nessa festa
Seu dotô, perdi a carma
Tive que pegá nas arma
Pois num gosto de apanhar
Pra Zeca se assombrar
Mandei parar o fole
Mas o cabra num é mole
Quis partir pra me pegar
Puxei do meu punhá
Soprei o candieiro
Botei tudo pro terreiro
Fiz o samba se acabar.

 

07 – A DANÇA DA MODA

(Luiz Gonzaga / Zé Dantas)

No Rio tá tudo mudado
Nas noites de São João
Em vez de polca e rancheira
O povo só dança e só pede o baião
No meio da rua
Inda é balão
Inda é fogueira
É fogo de vista
Mas dentro da pista
O povo só dança e só pede o baião
Ai, ai, ai, ai, São João
Ai, ai, ai, ai, São João
É a dança da moda
Pois em toda a roda
Só pede baião.

08 – RIACHO DO NAVIO

(Luiz Gonzaga / Zé Dantas)


Riacho do Navio
Corre pro Pajeú
O rio Pajeú vai despejar
No São Francisco
O rio São Francisco
Vai bater no meio do mar
O rio São Francisco
Vai bater no meio do mar
Ah! se eu fosse um peixe
Ao contrário do rio
Nadava contra as águas
E nesse desafio
Saía lá do mar pro
Riacho do Navio
Saía lá do mar pro
Riacho do Navio
Pra ver o meu brejinho
Fazer umas caçada
Ver as "pegá" de boi
Andar nas vaquejada
Dormir ao som do chocalho
E acordar com a passarada
Sem rádio e nem notícia
Das terra civilizada
Sem rádio e nem notícia
Das Terra civilizada.

09 – VOZES DA SECA

(Luiz Gonzaga / Zé Dantas)


Seu doutô os nordestino têm muita gratidão
Pelo auxílio dos sulista nessa seca do sertão
Mas doutô uma esmola a um homem qui é são
Ou lhe mata de vergonha ou vicia o cidadão
É por isso que pidimo proteção a vosmicê
Home pur nóis escuído para as rédias do pudê
Pois doutô dos vinte estado temos oito sem chovê
Veja bem, quase a metade do Brasil tá sem cumê
Dê serviço a nosso povo, encha os rio de barrage
Dê cumida a preço bom, não esqueça a açudage
Livre assim nóis da ismola, que no fim dessa estiage
Lhe pagamo inté os juru sem gastar nossa corage
Se o doutô fizer assim salva o povo do sertão
Quando um dia a chuva vim, que riqueza pra nação!
Nunca mais nóis pensa em seca, vai dá tudo nesse chão
Como vê nosso distino mercê tem nas vossa mãos

10 – CINTURA FINA

(Ze Dantas/ Luiz Gonzaga)

Minha morena, venha pra ca
Pra dançar xote, se deita em meu cangote
E pode cochilar
Tu es mulher pra homem nenhum
Botar defeito, por isso satisfeito
Com você eu vou dançar

Vem ca, cintura fina, cintura de pilão
Cintura de menina, vem ca meu coração

Quando eu abraco essa cintura de pilão
Fico frio, arrepiado, quase morro de paixão
E fecho os olhos quando sinto o teu calor
Pois teu corpo so foi feito pros cochilos do amor

 

11 – ALGODÃO

(Luiz Gonzaga e Zé Dantas) 
 

Bate a enxada no chão

Limpa o pé de algodão

Pois pra vencer a batalha

É preciso ser duro, ser forte, valente

Ou nascer no sertão

Tem que suar muito

Pra ganhar o pão

Pois a coisa lá

Não é brinquedo não

 

Mas quando chega

O tempo rico da colheita

Trabalhador vendo a fortuna, se deleita

Chama a famía e sai

Pela roçado vai

Cantando alegre

Ai, ai, ai, ai, ai, ai

 

Sertanejo do Norte

Vamos plantar algodão

Ouro branco

Que faz nosso povo feliz

Que tanto enriquece o país

Produto do nosso sertão

 

12 – PAULO AFONSO

(Zé Dantas e Luiz Gonzaga)

 

Delmiro deu a idéia

Apolônio aproveitou

Getúlio fez o decreto

E Dutra realizou

O Presidente Café

A Usina inaugurou

E graças a esse que têm valor

 

Meu Paulo Afonso foi sonho

Que já se concretizou

 

Olhando pra Paulo Afonso

Eu louvo o nosso engenheiro

Louvo o nosso cassaco

Caboclo bom, verdadeiro

Pois vejo o Nordeste

Erguendo a bandeira

De ordem e progresso

A nação brasileira

Vejo a indústria gerando riqueza

Findando a pobreza

 

Ouço a usina

Feliz mensageira

Dizendo na força

Da cachoeira

 

O Brasil vai, O Brasil vai,

Vai, vai

Vai, vai

 

É com imensa alegria que registro no ano de 2009 as Bôdas de Ouro do LP Luiz Gonzaga canta seus sucessos com Zé Dantas.

 

Pe Fábio Mota

fabiomota1977@hotmail.com

LIVRO: Luiz Gonzaga, o Asa Branca da Paz.

 

 
Anúncios
Esse post foi publicado em Música. Bookmark o link permanente.

4 respostas para 50 Anos de lançamento do disco LUIZ GONZAGA CANTAS SEUS SUCESSOS COM ZÉ DANTAS

  1. Este LP tem sido listado erroneamente nas discografias de Luiz Gonzaga como simples coletânea, mas na verdade é um disco de regravações feitas pelo Rei do Baião de sucessos, antes lançados em 78 rpm, que fez com o paraibano de Caraíba Zé Dantas, por sinal avô da cantora Marina Elali. Temos aqui inúmeros sucessos que resistiram ao tempo, vários até regravados por outros intérpretes: “Vem, morena”, “Forró de Mané Vito”, “Sabiá”, “Vozes da seca” (mensagem atualíssima, por sinal), “Cintura fina”, “A volta da asa branca”, o divertido “Xote das meninas”, “R. O cronista Zé Dantas está presente

  2. Este LP tem sido listado erroneamente nas discografias de Luiz Gonzaga como simples coletânea, mas na verdade é um disco de regravações feitas pelo Rei do Baião de sucessos, antes lançados em 78 rpm, que fez com o paraibano de Caraíba Zé Dantas, por sinal avô da cantora Marina Elali. Temos aqui inúmeros sucessos que resistiram ao tempo, vários até regravados por outros intérpretes: “Vem, morena”, “Forró de Mané Vito”, “Sabiá”, “Vozes da seca” (mensagem atualíssima, por sinal), “Cintura fina”, “A volta da asa branca”, o divertido “Xote das meninas”, “Riacho do Navio”. O cronista Zé Dantas está presente em “Paulo Afonso”, saudando a inauguração da hidrelétrica de msmo nome (que tem até o nome de Luiz Gonzaga em uma das turbinas), “Algodão” e “A dança da moda”, que mostra a popularização do baião nas festas juninas, desbancando as tradicionais polcas e rancheiras. “A letra I” é uma homenagem de Zé Dantas a sua esposa Iolanda. Ressalte-se que, em 1970, este LP foi reeditado com outra capa, diferente da original aqui reproduzida (a versão em CD, felizmente, respeitou a concepção original da mesma).

  3. Sandro disse:

    Zédantas era Pernambucano.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s