LETRA DAS MÚSICAS DE LUIZ GONZAGA LANÇADAS EM 1958, EM COMPACTOS DE 78 RPM, E QUE NESTE ANO DE 2008 COMPLETAM 50 ANOS DE LANÇAMENTO!!!

MÚSICAS DE LUIZ GONZAGA QUE COMPLETAM 50 ANOS, DE LANÇAMENTO EM COMPACTOS DE 78 RPM, NO ANO DE 2008!!!

 

1 – A MODA DA MULA PRETA (Raul Torres)

 

Eu tenho uma mula preta/ Tem sete palmo de altura/ Ai, ai, ai

A mula é descanelada/ Tem uma linda figura/ Ai, ai, ai

Tira fogo na calçada/ No rampão da ferradura/ Ai, ai, ai

Com uma morena delicada/ Na garupa faz figura/ Ai, ai, ai.

 

A mula fica enjoada/ Fica só de ancadura (2x).

 

O ensino da criação/ Veja quanto que regula/ Ai, ai, ai

O defeito do mulão/ Eu sei que ninguém calcula/ Ai, ai, ai

Moça feia e marmajão/ Na garupa, a mula pula/ Ai, ai, ai

Chega a fazer cerração/ Todos os pulos dessa mula/ Ai, ai, ai

 

Cabra muda de feição/ Sendo preto fica fula (2x).

 

Eu fui passear na cidade/ Só numa volta que eu dei/ Ai, ai, ai

A mula deixou saudade/ No lugar onde eu passei/ Ai, ai, ai

Pro mulão de qualidade/ Quatro conto eu injeitei/ Ai, ai, ai

Pra dizer mesmo a verdade/ Nem satisfação eu dei/ Ai, ai, ai

 

Fui dizendo boa tarde/ Pra minha casa voltei (2x).

 

Soltei a mula no pasto/ Veja o que me aconteceu/ Ai, ai, ai

Uma cobra venenosa/ Aminha mula mordeu/ Ai, ai, ai

Com o veneno desta cobra/ A mula nem se mexeu/ Ai, ai, ai

Só durou umas quatro horas/ Depois a mula morreu/ Ai, ai, ai

 

Acabou-se a mula preta/ Que tanto gosto me deu (2x).

 

2 – XOTE DAS MOÇAS (Nelson Barbalho e Joaquim Augusto)

 

Menina vem pro meu cordão/ Tu já tas moça

Rosa feita e não botão, vem!/ Sou o doutor que te examina

Quero o teu amor/ Para cumprir a minha sina (2x).

 

Mas a menina/ Que queria namorar

Agora quer/ Um namorado pra casar

Ta me atentando/ Pra falar com o pai dela.

Pra pedi-la em casamento/ E o jeito é me amarrar.

 

Rendeu-se o doutor/ À esperteza da menina.

Quem impôs amor/ Ao doutor da medicina.

E esse doutor/ Transformando em paciente.

Pra casar prefere/ Ser doutor dum só cliente.

 

Eita! Menina danada! Né que me amarrou mesmo. A peste? Ah! Há! Acabou-se o doutorzinho, vai mesmo se enforcar. É o jeito, quem mandou a menina ter virado o moção que é? É um moção aloprado, fecha comércio. O doutor que a examina é quem sabe. Ah! Menina, vem nêga!

 

3 – BALANÇA EU (Luiz Gonzaga e Nestor de Holanda)

 

Quando eu tiver com sono/ Meu amor

Balance eu, balance eu/ Balance eu

Quando eu tiver dormindo/ Meu amor

Acorde eu, acorde eu/ Acorde eu.

 

Tando perto de meu bem/ Não faltando o seu calor

Eu me sinto tão feliz/A vida assim tem mais valor

Quero ta sempre acordado/ Vigiando meu amo.

 

Quando eu tiver com sono/ Meu amor

Balance eu, balance eu/ Balance eu

Quando eu tiver dormindo/ Meu amor

Acorde eu, acorde eu/ Acorde eu.

 

Quero está sempre de ôio/ Pra meu benzim não fugir

Se ela quizer me beijar/ Dormindo não posso sentir.

Imbalança meu benzinho/ Mas não me deixa dormir.

Lá la la la la la la la la la la la.

Lá la la la la la la la la la la la.

 

4 – CHOREI, CHORÃO (Luiz Gonzaga e Lourival Passos)

 

Chorei, chorei, chorei, chorão/ Chorei sem ser chorão (2x).

 

Deixei o amor lá no sertão/ Por que não chorar, não?

Se lá ficou meu coração/ Por que não chorar, não?

 

Chorei, chorei, chorei, chorão/ Chorei sem ser chorão (2x).

 

Amor é coisa que vem à toa/ A gente gosta, a coisa é boa.

Mas quando acaba/ De sofrimento, de paixão/A gente chora, chora

Até virar chorão/ Pois a bichinha/ Era muito gostosinha.

Me dizia todo dia/ Que só eu era seu bem/ Dessa maneira.

Qualquer um a vida inteira/ Desmanchava em choradeira/ Eu chorei, ela também.

 

5 – FORRÓ NO ESCURO (Luiz Gonzaga)

 

O candeeiro se apagou/ O sanfoneiro cochilou

A sanfona não parou/ E o forró continuou (2x).

 

Meu amor não vá s’imbora/ Não vá s’imbora.

Fique mais um bucadinho/ Um bucadinho.

Se você for seu nego chora/ Seu nego chora.

Vamos dançar mais um tiquinho/ Mais um tiquinho.

Quando eu entro numa farra/ Não quero sair mais não.

Vou inté quebrar a barra/ E pegar o sol com a mão.

 

6 – MOÇA DE FEIRA (Armando Nunes e J. Portela)

 

Se não chover/ Amanhã passear

Comprar farinha/ Lá na feira do Pila (2x).

 

Lá no Pila/ Numa certa bodeguinha.

Sá Mariquinha/ Bota a filha no barcão

E a Catarina/ Com seus óio gatiado

Bota os cabra apalermado/ Nem repara a medição.

Os óio dela/ Tem veneno de serpente.

Que é mais quente/ Que o sol de Quixadá.

 

Farinha crua ta azeda/ Tá mofada

Mas os cabra não vê nada/ Nem o troco qué conta (2x)

 

Se não chover/ Amanhã passear

Comprar farinha/ Lá na feira do Pila (2x).

 

Lá no Pila/ Com o negócio da farinha

Sá Mariquinha/ Vai ganhando um dinheirão.

Já ta ricaça/ No entanto é tão ladina

Que não deixa a Catarina/ Namorá com ninguém não.

Sá Mariquinha/ Não se afasta da bichinha

O dia inteiro/ Encostada no barcão.

 

Se a Catarina/ Não consegue o seu intento

De arranja um casamento/ Vai ficar no barricão. (2x)

 

 

Se não chover/ Amanhã passear

Comprar farinha/ Lá na feira do Pila (2x).

 

 

7 – QUE MODELO SÃO OS SEUS (Luiz Gonzaga)

 

Mulé danada que modelos são os seus? (3x)

 

Fugindo da minha casa/ Com tudo que era meu

 

Ai, ai, ai!/ Com tudo que era meu (2x)

 

É melhor viver sozinho/ Sem mulher e sem conforto

Do que ver uma cozinha/ Condenada a fogo morto

Não se pode confiar/ Num bicho que veve sorto

Não se pode endireitar/ Um pau que já nasceu torto.

 

8 – FESTA NO CÉU (Zeca do Pandeiro e Edgard Nunes)

 

Quero ver soltar foguete/ Quero ver soltar balão.

Até no céu a festa/ É noite de São João.

No terreiro tem fogueira/ Tem sanfona no salão.

Vão furar a bananeira/ Pra fazer adivinhação (2x).

 

Festa animada/ Chega o Padre do Arraiá.

Zé Funil, Rei do Quentão/Com a Chica vai casar.

E a charanga enfeitada/ É uma troça.

Quando o dia clarear/ Findou a festa na roça.

 

 

9 – SERTÃO SOFREDOR (Nelson Barbalho e Joaquim Augusto)

 

Ah! Meu sertão véi sofredor! Terrinha pesada da gota! Terra mole, vôte! Quando chove lá, chove pra derreter tudo. A terra vira lama, a cheia acaba com os pobres, açudão pro mundo! Aquilo não é nem chuva, é dilúvio. E quando não chove é mais pior meu chefe! É um verão brabo, torrando tudo, lascando. Acabando com tudo que era verde. Home, com o verão no meu sertão, de verde só fica mesmo pano de bilhar, óculos ray-ban e pena de papagaio. É um desadouro meu chefe!

Ah! Meu sertão véi sofredor! Inté Paulo Afonso, que era a redenção do Nordeste, virou coisa de luxo. Só ta servindo mode iluminar as cidade grande.
Cadê as fábrica? Cadê as indústria? Cadê as coisas boas anunciadas pro Nordeste? E se vier outra seca lascada? Ah! Há, é uma praga, meu chefe! Ah! Sertãozim sofredor!…

Tibes! É por isso que eu canto…

Posso falar? – Pode!

 

Quero falar do meu sertão/ Meu sertãozinho/ Desprezado como o quê.

 

Peço atenção de toda gente/ Pra minha terra/ Terra do meu bem querer (2x).

 

Matéria prima/ Tudo temos de primeira, sim

Calor humano/ Gente honesta e ordeira também

O que nos falta então/ É um ajuda ideal

Do grande chefe/ Do Governo Federal

Pois é!

 

 

10 – GIBÃO DE COURO (Luiz Gonzaga)

 

Minha Velha tão querida/ Proteção de minha vida

Vale muito mais que ouro/ Porque ela é, porque ela é.

Porque ela é/ Meu gibão de couro (2x).

 

Nas antigas batalhas romanas/ Armadura era a grande proteção.

Aparava o homem/ O homem trabalhador.

Contra todo ataque/ Do mais bruto contendor.

 

No meu sertão/ Armadura é gibão de couro.

O forte gibão/ Pro vaqueiro, seu tesouro (2x).

 

Minha Velha tão querida/ Proteção de minha vida

Vale muito mais que ouro/ Porque ela é, porque ela é.

Porque ela é/ Meu gibão de couro (2x).

 

Nas modernas lutas desta vida/ A esposa representa o gibão.

Protege o seu homem/ O homem trabalhador.

Defendendo o lar/ Briga pelo seu amor.

 

No meu ranchinho/ O gibão é a companheira.

Boa e amiga/ Minha honesta conselheira (2x).

 

 

ESPERO QUE GOSTEM E DEIXEM INFORMAÇÕES

 

Pe Fábio Mota

(fã de Gonzagão)

About these ads
Esse post foi publicado em Música. Bookmark o link permanente.

12 respostas para LETRA DAS MÚSICAS DE LUIZ GONZAGA LANÇADAS EM 1958, EM COMPACTOS DE 78 RPM, E QUE NESTE ANO DE 2008 COMPLETAM 50 ANOS DE LANÇAMENTO!!!

  1. Yvana disse:

    ESTOU PROCURANDO A LETRA DA MUSICA QUE FALA A RESPEITO DA SAIDA DELE DO SERTÃO …. E SUA MÃE FICOU CHORANDO VENDO O FILHO PARTIR….ETC…ETC . (NAO ME RECORDO EXATAMENTE, MAS É ALGO ASSIM. SE PUDESSE ME AJUDAR A IDENTIFICAR QUAL É A MUSICA, FICAREI GRATA.

  2. Zed disse:

    Gostaria de saber o nome de uma música de Luiz Gonzaga (lá pelos anos de 1956). Lembro de parte da letra que diz:
    “…todas são bonitinhas, eu não sei qual vou tirar
    será Lena ou Helena, todas duas têm seu par,
    Ai, ai, ai ,ai, com quem é que eu vou dançar…”

  3. Jose Floriano disse:

    Gostaria de saber se alguém pode me ajudar a descobrir o nome de um,a musica do velho lula onde ele diz ” que vai ajudar o amigo a construir uma casa pois o mesmo vai casar e a noite depois de pronta eles vao dançar na casa”
    Saudações
    Floriano

  4. LUANA disse:

    Música e letras!!! Lindo…
    Luiz Gonzaga.

  5. elias disse:

    As músicas do Luiz são ótimas… Gosto daquela Asa Branca e muitas outras.

    • edson oliveira s filho disse:

      A música que mais gosto é a Triste Partida pois ela é a verdade cantada. Véio e saudoso Lula. Deus mantenha sua alma em bom lugar.

  6. edson oliveira s filho disse:

    Estou procurando uma música que ele (Luiz Gonzaga) cantava e que falava em vinte mulheres diferentes. Se alguém conhecer tal música favor enviar-me!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s